X comissão de inquérito sobre Camarate vai ouvir Farinha Simões e José Esteves

A X comissão de inquérito à tragédia de Camarate vai ouvir Farinha Simões, José Esteves e outros elementos que relataram "ter participado ou testemunhado atos criminosos" relacionados com a queda do avião em 1980.
O conjunto de audições hoje aprovadas por unanimidade na reunião da comissão de inquérito inclui Carlos Miranda, indicado como "testemunha de Camarate", atualmente preso, e Vítor Pereira, ex-agente da Polícia Judiciária.
Elza Simões, ex-mulher de Fernando Farinha Simões, já tinha prestado depoimento numa anterior comissão de inquérito sobre Camarate.
Os deputados ainda não decidiram se as audições a Farinha Simões e José Esteves, indicados como "pessoas que relataram ter participado ou testemunhado atos criminosos" relacionados com Camarate, vão decorrer à porta fechada.
Em defesa das audiências à porta fechada, o deputado do CDS-PP José Ribeiro e Castro disse que deve ser tida em conta a necessidade de "proteção dos testemunhos".
O deputado do PCP Jorge Machado defendeu audiências abertas, enquanto o deputado do PSD Miguel Santos advertiu para a eventualidade de os testemunhos poderem "ser uma coisa com espetadores e outra sem espetadores".
Por outro lado, quer Farinha Simões quer José Esteves já manifestaram vontade de serem ouvidos pela comissão. Os dois, tal como Elza Simões, já tinham sido ouvidos em anteriores comissões de inquérito.
O conjunto de audições inclui ainda Miguel Reis, jornalista do Portugal Hoje à época da publicação de uma notícia sobre tráfico de armas para o Irão e a viúva do autor da notícia, o jornalista Celestino Amaral.
As audições a Marcelo Rebelo de Sousa e ao ex-presidente da República e ex-Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas António Ramalho Eanes, já anteriormente aprovadas, vão ser também agendadas.
As audições vão decorrer em paralelo com a realização de uma auditoria a documentos do Fundo de Defesa Militar do Ultramar (FDMU) encontrados no Arquivo de Defesa Nacional e que são posteriores à data da sua extinção, 1981, e vão até 1988.
Esta auditoria, proposta pelo PSD e aprovada por unanimidade, visa encontrar "a pista do dinheiro" do fundo, cujo saldo no início de 1981 era de 500 milhões de escudos.
Na reunião, a deputada do PS Isabel Oneto advertiu para a necessidade de a auditoria ter um objetivo concreto, ligado ao objeto da comissão de inquérito.
A X comissão de inquérito ao caso Camarate visa averiguar as "causas e circunstâncias em que, no dia 4 de dezembro de 1980, ocorreu a morte do primeiro-ministro, Francisco Sá Carneiro, do ministro da Defesa Nacional, Adelino Amaro da Costa, e dos seus acompanhantes".